Patagônia tem o inverno mais rigoroso dos últimos 20 anos

A Patagônia vivenciou entre o fim de junho e o início de julho temperaturas congelantes, exibindo paisagens similares a que vemos em alguns países do Hemisfério Norte na temporada de inverno.

Fazer frio na Patagônia é comum, ainda mais no inverno, mas as baixas temperaturas deste ano e as nevascas que acumularam até 1,5 metro de neve surpreenderam os povoados da região.

No início de julho, o frio extremo foi observado nas províncias patagônicas de Terra do Fogo, Santa Cruz, Chubut, Rio Negro e Neuquén, com temperaturas próximas de -20°C e recordes de frio em várias localidades. Muitas pessoas tiveram que lidar com tubulações congeladas e uma grande quantidade de neve no telhado e ao redor de suas residências.

Veja abaixo algumas temperaturas mínimas registradas em Rio Grande (Terra do Fogo) entre o final de junho e o começo de julho:

27/6: -13,5°C
28/6: -15,0°C
29/6: -12,0°C
30/6: -16,0°C
1/7: -15,5°C
2/7: -16,5°C
3/7: -14,0°C

O inverno rigoroso que persiste no extremo sul da América do Sul trouxe mais problemas nos últimos dias. Cinquenta e cinco torres de transmissão de energia elétrica caíram com o sobrepeso provocado pelo acúmulo de neve e gelo em Chubut, deixando muitos clientes sem energia. No dia 26, o satélite da NASA registrou uma grande cobertura de neve na Patagônia desde a encosta oriental dos Andes até as planícies costeiras.

Além dos prejuízos no setor elétrico, os impactos do extremo frio também atingiram a agropecuária local. Vários produtores tiveram que salvar seus animais soterrados pela neve, mas muitos morreram. O governo de Rio Negro chegou a declarar um estado de desastre agrícola e de emergência para as atividades agrárias e pecuárias da região sul e andina da província.

Análises preliminares mostram que o frio extremo na Patagônia tem associação com um sistema de alta pressão bloqueado na região da Península Antártica. Com esse anticiclone em média instalado ao sul do continente, um corredor de ventos polares persistiu em direção as províncias patagônicas.

Padrão climático médio entre o fim de junho e meados de julho associado ao frio extremo na Patagônia.

Esse padrão climático médio observado, é em parte explicado pela Oscilação Antártica e por estruturas de bloqueios atmosféricos no Hemisfério Sul.